• sexta-feira, 2 de novembro de 2012
  • Posted by Herminio Neves de Jesus


Quando o tempo, inicia sua jornada, sentimentos afloram em nossos olhos colorindo nossos semblantes com luzes reluzentes. A chuva caindo no chão molhando a terra onde pisamos, não sentimos, mas ela respira e vive sob nós. Os sentimentos que nos pertubam nos fazem crer na vida, nos olhos dos outros encontramos paz, encontramos também a guerra. No fio da espada, passamos a limpo nossos mais mórbidos sentimentos, nossas fraquezas. Na fornalha encandescente jogamos nossos desejos insanos, e com eles esperanças perdidas. Nosso peito entregue a um coração que bate muito pra manter nossa ar, também bate para em alguns momentos nos tirar esse ar. No fim do dia, olhamos a nossa volta, e por muitas veses não sentimos o quanto foi grande nossa oportunidade de ser o que somos, não somente o que queremos ser. Não é suficiente mostrar o que somos, temos que mostrar o que queremos ser, sentimentos que vasam nossas rasões, e não refletem de fato o que queremos. Meu sentimento é inoportuno se eu permitir...

0 comentários: